quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Quanto vale minha Fender ?!

Muito interessante, site americano especializado em venda de  guitarras usadas e vintage:

https://reverb.com/c/electric-guitars

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

A melhor vídeo aula de guitarra Jazz de todos os tempos !

Olá !

Se tem uma coisa extremamente difícil nesse mundo é tocar jazz ! Mesmo que vc estude bastante teoria musica, conheça as escalas, o campo harmônico, seus modos, as cadências, etc., isso não será suficiente para fazer um bom improviso sobre um standard de jazz.

O grande problema é que as harmonias têm tantos acordes que quando vc começa a desenvolver uma ideia , já está na hora de trocar de escala, pois um compasso com 2, 3, 4 acordes é coisa comum no jazz !

É certo que vc pode abordar a improvisação pelos centros tonais ou aplicar arpejos mas essas abordagens simplificadoras são complicadas de usar, uma vez que temos muitos acordes alterados nos standards. 

Existe muito material didático para quem quer aprender jazz mas sempre recaem na mesma coisa tipo "no acorde tal, vc aplica a escala x", o que não vai fazer conseguir tocar de fato, devido as razões explicadas acima. Mesmo fazendo aulas com um professor competente ainda é difícil, pois muitas vezes ele toca muito bem mas usa a intuição desenvolvida ao longo de anos para desenvolver um bom solo, ou seja, já tem as notas "debaixo dos dedos" e não sabe bem explicar ao iniciante como chegar lá !

Mas descobri uma vídeo aula no youtube do guitarrista alemão Achim Koll extremamente bem elaborada para quem quer aprender a tocar jazz e nem precisa ter grande conhecimento de teoria musica, basta o conhecimento básico de intervalos !

Nessa lição, Koll desenvolve um solo em cima de "Autumn Leaves" em 6 etapas, na primeira, ele toca a progressão inteira só usando as tônicas e terças, na próxima coloca também as quintas, depois as sétimas, então aplica também alguns cromatismos e por fim sugere a aplicação de alguns licks. 

Assim, aquele solinho básico vai se tornando um ótimo solo de jazz e vc vai aprendendo a "caminhar" pela progressão do standard, explorando as notas básicas dos acordes.

O melhor de tudo é que esse método pode ser aplicado em qualquer standard, se vc se dedicar bastante !

O vídeo é completo e dá para aprender só por ele, reduzindo a velocidade do mesmo mas eu recomendo que vcs comprem a lição, que custa uns 4 euros e imprimam o pdf, vai facilitar bastante o aprendizado.

Muito bacana que alguém tenha tido o trabalho e a paciência de elaborar tão cuidadosamente uma lição como essas, valeu mesmo Achim Koll, well done !

Um grande 2019 para todos nós, abç !

Mad


quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Telecaster Thiline Custom Jay Turser

Olá,

Tenho postado muito pouco, total falta de tempo mesmo, mas não posso deixar de falar nessa belezinha aqui, não conhecia bem essa marca Jay Turser, para mim é apenas mais um fabricante que produz guitarras na ásia mas fiquei surpreendido com essa tele, instrumento com muitos detalhes positivos !

O acabamento é excelente, a guitarra é simplesmente linda, não consegui descobrir qual a madeira utilizada no corpo mas o braço é em um maple muito bonito e verifiquei que também é bem estável, com escala em rosewood, peça também muito bonita e com um acabamento acetinado muito bom. O perfil do braço é um C-shape um pouco mais gordinho do que o da minha Fender americana mas muito confortável e gostoso.



O corpo, ao contrário da maioria das thinlines que são escavadas apenas na parte de cima, é escavado dos dois lados, caracterizando o instrumento como uma semi-sólida de verdade, gostei muito desse detalhe assim como também das cordas vazando o corpo através de buchas na parte traseira, coisa importante em qualquer boa tele.

Não desmontei a parte elétrica para analisar mas mesmo sem ser blindada a guitarra é relativamente silenciosa, os potenciômetros e a chave não apresentavam nenhum ruído e o curso dos potenciômetros é  bem confortável.

A captação é composta de um humbucker e um single clássico de tele na ponte. Ambos em alnico ! Eu medi a resistência DC dos captadores, o humbucker tem cerca de 8,5 k e o single 6,7k, um set muito bem adequado para tocar Blues e Jazz, gostei muito do som do humbucker, quente e com uma boa dinâmica pra quem toca clean como eu. Como a elétrica das teles customs usa um volume e um tom separado para cada captador é perfeita para tocar com a chave na posição do meio, permitindo um número infinito de timbres, controlando a contribuição dos agudos do single mixados com o humbucker com o botão de volume, muito bom !

As tarraxas são vintage e as ferragens me pareceram o tipo padrão que equipam guitarras dessa faixa de preços, assim não vi nada o que reclamar. Apenas troquei os saddles da ponte por saddles de aço, como costumo fazer em todas as minhas guitarras, acho que sempre melhora a entonação.

Aliás, não vi nada de negativo nesse instrumento, que uma boa regulagem segura qualquer onda, a palavra final é que é um instrumento que precisa de NENHUM upgrade, coisa rara nessa faixa de preços !

Não tenho como fazer um vídeo demonstrando mas tem uma review legal feita por um brasileiro no youtube:



É isso, abç a todos !

Mad

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Um método fácil para ajustar o rastilho do violão

Olá, feliz 2018 para todos !

Bem, a boa notícia é que eu não morri e nem o blog acabou, de fato tem muito tempo que eu deixei de postar material original aqui, apenas tenho colocado alguns vídeos bacanas e respondido as perguntas.

Aconteceu o seguinte, resolvi tirar um 'ano sabático' desse foco em equipamentos. Eu trabalho e tenho família para cuidar, meu tempo disponível para a música é pequeno e percebi que eu estava perdendo muito desse tempo com questões ligadas a luthieria e analisando equipamentos novos.

Assim, resolvi dar um tempo nisso e retomar meus estudos de guitarra, voltei a fazer aulas e tive a sorte de poder estudar jazz com o grande guitarrista mineiro Celso Moreira, realmente uma coisa que não devemos parar nunca é de estudar, mesmo se você for uma fera (não é o meu caso, rs), porque a evolução é muito grande e a motivação da gente fica a mil !

Outra coisa interessante é que eu me afastei da guitarra elétrica por enquanto pois acho melhor usar o violão com cordas de nylon para estudar MPB e Jazz, etnão tem praticamente um ano que eu não encosto a mão na guitarra !

Muito bem, mas voltando a pegar em violão depois de tantos anos senti a necessidade de 'abaixar as cordas' para facilitar a execução, de fato é um padrão em violões de nylon o uso de cordas mais altas mas quem está mais acostumado com a guitarra elétrica estranha bastante.

Para abaixar as cordas do meu violão tinha que reduzir a altura do rastilho e resolvi fazer isso eu mesmo. É um coisa meio complicada, porque se você reduzir demais ou no ângulo errado só fazendo um rastilho novo, portanto, é o tipo do trabalho onde o melhor mesmo é enviar o instrumento para um bom luthier ajustar.

Mas resolvi fazer eu mesmo... As cordas agudas estavam em uma altura satisfatória, já as cordas graves precisavam ser abaixadas um pouco, logo teria que fazer uma redução em ângulo. Como fazer isso ? Pensei em marcar com um lápis e depois reduzir usando lixas mas é o tal caso, em violões elétricos o rastilho tem ficar completamente reto e no ângulo correto para encaixar na ranhura do cavalete, será que eu iria conseguir isso apenas lixando no olho ? Complexo...

De repente tive uma ideia. Peguei uma dobradiça de portas e usando dois parafusos com porcas prendi o rastilho no ângulo correto, deixando apenas a porção que deveria ser lixada para fora. Aí ficou fácil de lixar contra uma superfície reta. Pronto ! Ficou tudo certíssimo e o trabalho foi feito rapidamente ! Vejam como eu fiz:



Para falar a verdade não sei se é assim que um luthier profissional faz esse ajustes, talvez eles tenham um método melhor, nunca vi ninguém fazer assim mas eu fiz e funcionou !

É isso, tenhamos todos nós e o nosso Brasil um bom ano depois de tantos absurdos que aconteceram no passado recente e vamos que vamos, no próximo post falarei sobre meus violões.

Abç,

Mad



quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Jimi Hendrix - Mannish Boy



Incrível, até hoje saindo inéditas do cara, nessa versão incendiária o clássico de Muddy Waters ganha aquela propulsão rítmica inconfundível que já ouvimos em faixa como 'Isabela' e que permeia todo o álbum 'Band of Gypsys', por sinal que toca na faixa é Bily Cox e Buddy Miles. Wow !










segunda-feira, 10 de julho de 2017

Construindo suas próprias ferramentas de Luthier !

Ôpa, essa da régua foi sensacional, se eu tivesse visto esse vídeo antes teria economizado 150 pilas que gastei comprando uma régua igual a essa no Mercado Livre !

Cuidado para não se machucar se tentar fazer esses projetos, qualquer ferramenta é perigosa, peça ajuda a alguém que tenha prática com elas !


sexta-feira, 3 de março de 2017

Como medir a resistência de captadores sem ter que desmontar a guitarra !

Olá !

Começa aqui uma série de posts sobre captadores, com dicas e truques para upgrades, vamos dividir em posts pequenos para não ficar cansativo.

Hoje vou mostrar como medir o principal parâmetro de um captador, a chamada "resistência" (em inglês, "resistance DC") das bobinas sem que seja preciso desmontar ou abrir a guitarra. No próximo post eu vou explicar detalhadamente o que é esse parâmetro, qual a sua importância e quais são as suas limitações. Por ora vamos apenas mostrar como efetuar essa medida de forma precisa e fácil



Do que eu vou precisar para medir os captadores ?

Vou precisar de um multímetro digital e de um cabo pequeno, do tipo usado para conectar pedais, como os da figura abaixo.


"Ah, mas eu vou ter que comprar um MULTÍMETRO DIGITAL ??!!" 

Calma ! Um multímetro digital igual a esse custa a fortuna de  cerca de R$ 15,00 no Mercado Livre ! Isso mesmo, quinze reais, eu não escrevi errado ! E vai ser útil para você o resto da vida ! Pelo fato de ser barato não quer dizer que não seja preciso, pelo contrário, é muito preciso. Existem também os multímetros analógicos, para falar a verdade eles são até melhores que os digitais para trabalhar com captadores e também existem modelos baratos, mas, ao contrários dos digitais, os modelos analógicos baratos não são bons, por isso recomendo os digitais.

E o cabo, por que um cabo de pedal ? Porque quando estivermos medindo a resistência dos captadores através do cabo estaremos medindo junto também a resistência do cabo, porém, esse valor é tão pequeno que pode ser desprezado, isso em cabos de qualidade, óbvio, assim queremos o menor cabo possível porque a sua resistência será menor e influenciará menos as medições.

Um multímetro serve para medir diversas grandezas elétricas, como voltagem, corrente e resistência. A unidade de medida da resistência é o ohm, assim quando ouvimos que um captador tem 7k ohms ou apenas 7k, como é mais comum, quer dizer que ele tem 7.000 ohms de resistência.

Não vou ensinar aqui como usar o multímetro, existem bons tutoriais e vídeos ensinando isso, portanto, vamos ver direto como fazer a medição.


Como medir



Faça agora o seguinte:

1) selecione a chave da guitarra para o captador que você quer medir.
2) coloque o botão de volume no máximo (os de tone não influenciam na medida, por causa do capacitor, então tanto faz).
3) coloque o multímetro na escala correta para medir resistência, um captador tem a resistência na ordem de 10k ohms ou 15k ohms então a escala de 20k é uma boa escolha para a medida, se vc escolher uma escala menor, digamos 2k, não vai conseguir medir, caso escolha uma de 200k vai fazer a medida mas será menos precisa do que a de 20k, como regra, estime mais ou menos a ordem de grandeza do que vai medir e selecione a escala mais próxima, sempre para maior.
4)  coloque o cabo no jack da guitarra
5) meça a resistência nas extremidades do cabo (tanto faz inverter a ponta vermelha ou a preta nas terminações do jack pois resistência não tem polaridade)

Como o procedimento acima, fiz as seguintes medições:

Para o captador do braço: 8,28 k ohms


Para o captador da ponte: 12,13 k ohms




Muito bem, poderíamos parar por aí pois esses valores já bem próximos aos valores reais das resistências dos captadores. Ocorre que o que estamos medindo de fato é a resistência do captador em paralelo com o potenciômetro de volume. Felizmente a resistência do potenciômetro de volume é muitíssimo maior do que a resistência do captador e pouco vai influir nas medidas, porém, podemos ainda aplicar uma fórmula de correção. Sabemos que o potenciômetro de volume tem como padrão o valor de 250k ohms para guitarras com captadores singles e 500k ohms para guitarras com humbuckers. Nem sempre é assim mas na maior parte dos casos a verdade é essa.

Ora, a física nos ensina que a resistência equivalente de dois componentes em paralelo (nosso caso) é o produto das resistências dividido pela a sua soma. Assim, a resistência equivalente (que foi o que a medição do aparelho nos mostra) é igual ao produto das resistências do captador e a do potenciômetro dividido pela sua soma. A fórmula então seria: R equivalente = (R captador x R potenciômetro) /  (R captador + R potenciômetro). 

Aplicando um pouco de álgebra, temos a fórmula final para corrigir nossas medidas:

R captador = (R medida x R potenciômetro ) /  (R potenciômetro - R medida)

Na guitarra acima, o potenciômetro de volume tem 500k ohms.

As medidas corrigidas ficaria assim então:

Captador do braço: = (8,28 x 500) / (500 - 8,28) = 8,41 k ohms

Captador da ponte: = (12,13 x 500) / (500 - 12,13) = 12,43 k ohms

Como vocês podem observar os valores medidos são muito próximos daqueles obtidos pela fórmula de correção mas ainda assim existe diferenças.

As outras coisas que poderiam influenciar como a resistência do cabo, da chave, do jack, etc podem ser desprezadas, são muito pequenas.

Aprendemos então a fazer essa medida sem ser preciso desmontar a guitarra !

Tio Mad é  ciência !

Abç a todos !









sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

"Envelopamento" de guitarra com vinil adesivo, funciona ?

Olá !

Alguns me perguntam sobre alterar o revestimento da guitarra com essas folhas de vinis autoadesivo, material que está sendo muito utilizado em carros, mobílias e hobbysmo, é um material relativamente barato, fácil de aplicar e pode ser retirado sem problemas, caso o resultado final não seja satisfatório.

Bem, eu sou muito cauteloso com soluções caseiras para pintura de guitarra, minha experiência é que não fica muito bom, pintura e revestimento de guitarra é coisa complexa, não é à toa que raríssimos profissionais fazem esse serviço com qualidade, o revestimento com PU é um acabamento incrivelmente resistente, a guitarra por vezes cai no chão, bate na porta e tal e você se surpreende por não achar marcas !

Apesar do envelopamento ser resistente não tem comparação com uma pintura profissional, outro problema é que o envelopamento funciona muito bem em superfícies retas, não acredito muito que em um corpo cheio de curvas como uma stratocaster isso fique bom, em todos os casos, existem muitos vídeos no youtube, assistam e tirem suas conclusões...

Em resumo, eu não recomendaria, como é um material barato, você até pode fazer uma experiência, se não der certo é só retirar, mas vamos lembrar que é muito complicado para um iniciante desmontar, remontar e regular a guitarra, coisa trabalhosa até para os experientes.

No entanto, embora eu não recomende para o revestimento do corpo, isso não quer dizer que o material não possa ser usado para coisas menores, como, por exemplo, revestir escudos e plásticos.

Eu usei essa técnica para fazer "matching headstocks" (headstock com cor combinando com a cor da guitarra) em duas stratos e gostei bastante do resultado, ficou muito bonito e se eu tivesse mandado pintar teria ficado caríssimo !

Vejam as fotos:




É isso, abç a todos !

Mad