sexta-feira, 29 de março de 2013

Amplificadores - Para começo de conversa ! (I)

Olá !

Sou um usuário antigo na internet. Muito antigo ! Creio que dos mais antigos, pois já era ativo nos ambientes on-line que precederam a internet, como o vídeo texto e as lendárias BBSs (alguém lembra da "Louca BBS" ??!). Em 1995 ou 1996, não lembro bem, já acessava a web !

Mas o fato é que desde que iniciei minhas atividades on-line, a chamada "netiqueta" preconizava o seguinte, dentre suas inúmeras regras: "jamais discutir religião !".

Pois bem, amplificador de guitarra virou religião !!!

A comunidade "Amplificadores Valvulados" do Orkut, nos seus áureos tempos, chegou a ter mais de 5.000 membros, todos grandes especialistas em válvulas, capazes de discriminar o "timbre" característico de, por exemplo" uma vávula Sovtek, de acordo com usa procedência. Esses profundos conhecedores são capazes de identificar o "calor", o "crunch", o "drive", o "ataque" e outras nuances timbrísticas... Isso para não falar nos milhares de detalhes que envolvem capacitores a óleo, indutores,  transformadores e auto-falantes (esses últimos, uma religião em si !).

Muito bem, e qual é o problema ? A bem da verdade, nenhum ! Vamos lembrar daquele pivete que entra no ônibus pela porta de trás e fala: "bom dia passageiros ! Eu poderia estar roubando, matando, tomando drogas mas estou aqui apenas para discutir amplificadores valvulados..." !

É isso, vivemos em uma época de excesso de informações. Tudo vira hobby, vira cultura (?) e, de certa forma, é bom que seja assim...

Mas será que nós, que queremos apenas tocar guitarra (por incrível que pareça, existe quem queira só isso !) temos que nos prender aos milhares de detalhes que essa galerinha fala ?

Vamos aos fatos:

Um amplificador de guitarra é um aparelho eletrônico, projetado por Engenheiros Eletrônicos, e construídos segundo as regas da Eletrônica, que é uma ciência, um ramo da Física.

Em sendo a Eletrônica uma ciência, será que devemos dar ouvidos a quem quer pontificar nesse campo do conhecimento humano sem conhecer sequer seus fundamentos ?

Estou exagerando ? Vamos ver então;

Começando pelos componentes passivos, os capacitores e os indutores.

O comportamento desses componentes é tão sofisticado que sequer pode ser representado pela matemática que conhecemos, é necessário um conjunto especial de números, conhecidos como "Números Complexos" para representá-los.  Tais números possuem uma parte "real" e outra "imaginária"... Já imaginaram cálculos com uma matemática assim ?... Se alguém interessar:


Números Complexos

Então, será deveríamos levar em conta a opinião sobre capacitores de alguém que nunca ouviu falar em números complexos, ou outros termos como "constante dielétrica" ou "reatância" ?!

E continuemos, por ora, com os componentes eletrônicos passivos, que são os mais simples...

E os transformadores, os famosos "trafos" ?...

Tudo que aprendi sobre transformadores foi nas aulas do Professor Alfonso Martignoni e seu irmão Ângelo, autoridades no assunto. O cálculo de uma simples transformador de força, se feito da maneira correta, é um verdadeiro pesadelo, de tão complexo...

Muito bem, se os simples componentes passivos envolvem conceitos matemáticos e metodologias extremamente complexos, que dirá os componentes ativos, como válvulas, transistores e circuitos integrados ?! 

"Peraí, peraí, para tudo, para tudo !!!!! MadGuitarMan, seu animal, você está dizendo que só Engenheiros Eletrônicos podem entender de Amplificadores de guitarra ??!!"

Sim estou, e qual o problema ? Se eu dissesse que só Médicos podem interpretar o significado de um exame de tomografia cerebral, alguém me crucificaria ???!

A verdade é que essas pessoas constroem modelos mentais toscos e ridículos e acham que entenderam alguma coisa de amplificadores, mas deixa para lá...

Estou fazendo essa introdução ao assunto de uma maneira tão agressiva e antipática para evitar que venham aqui depois me perguntar sobre detalhes ridículos com relação a válvulas, trafos, etc.

Tem gente que discute sobre vinhos, pra analisar o "terroir", o "bouquet", a safra e tal... Eu prefiro beber e decidir se achei bom ou não...

E esse será o método que usarei daqui para frente para apresentar o assunto amplificadores ! O Blog é destinado APENAS aos iniciantes, em especial para aqueles que desejam apenas tocar BEM guitarra !

Para todos os outros, existem dezenas de fóruns e comunidades onde poderão exercitar seu "profundo conhecimento" !

Pronto falei, kkkkk ! Tinha anos que eu estava com isso engasgado ! Como é bom ter um blog !

Nos próximos posts vamos estudar os aspectos que realmente valem a pena saber sobre os amplificadores de guitarra, até lá e abraços !!!






14 comentários:

  1. Você começou o assunto com o pé direito! Acho insuportavel essas discussões que a gente vê por aí valvulados X solid state! Cada um parece querer mostrar que tem o ouvido mais privilegiado que o outro... Será que é tão dificil perceber que cada um tem suas características, e que isso impõe certas limitações, mas que não necessariamente defeitos?...

    ResponderExcluir
  2. Essa comparação que você fez sobre vinhos, se enquadra perfeitamente nessa questão dos amplificadores. Tem um filme chamado O Julgamento de Paris (se não assistiu, assista, vale a pena) que trata exatamente desse comportamento pedante de alguns em achar que sabem o que realmente é melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assisti esse filme sim, está no NET/NOW, muito bom o filme, abç !

      Excluir
  3. Como falam aqui no Nordeste: "tá arretado!". Hehe. Tá totalmente certo. Esperando o próximo post \0/

    ResponderExcluir
  4. Cara, eu concordo com você em parte. Um engenheiro pode entender muito de eletrônica, mas não necessariamente de música; uma falha de projeto ou problema mal contornado num amplificador de hoje pode se tornar um efeito de guitarra amanhâ, com seu respectivo pedal hehe... A questão é cair no gosto da moçada (há quem considere guitarras distorcidas mero barulho, meu pai por exemplo...rs)
    Uma coisa importante que eu gostaria que voce abordasse é sobre pós venda, algo que deve ser levado em consideração antes de comprar qualquer equipo: não adianta nada comprar um amp hiper top se você não conseguir consertá-lo depois...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehe, mas existem Engenheiros que entendem de música, até tocam guitarra, eu mesmo conheço um, kkkk ! De fato, um amplificador de guitarra é uma aberração em termos de projeto eletrônico, já que ´projetado para favorecer a saturação e distorcer ! Sobre a questão da manutenção vou falar em um post que vai discutir se vale a pena ter um valvulado !

      Excluir
    2. Eu sei que não é o seu caso hehehe, o que alias dá mais credibilidade ao seu blog!
      Acredito que o trabalho com equipamentos de áudio em geral deve ser extremamente especializado, não é preciso só noção de música, mas até de arquitetura! E experiencia conta muito nesse ramo. Tenho um amigo guitarrista, que hoje tem seu próprio estúdio e vive dele e de alguns trabalhos com sonorização de ambientes, a quantidade de coisas que ele teve de aprender, coisas que ele nem imaginava! Eletrônica, informatica, construção, Física, Matemática, alem do conhecimento musical que ele já possuía. Hoje ele faz curso de engenharia de audio, num instituto em São Paulo que não lembro o nome agora, mas só pra ele ter o papel (diploma) comprovando seus conhecimentos, que foram adquiridos com muita prática e dedicação.

      Excluir
  5. Acredito que a essa questão do áudio, em especial a sonorização profissional até transcenda a ciência multidisciplinar. Aprendi muito sobre isso nos artigos publicados pelo lendário CCDB (Cláudio Cesar Dias Baptista, irmão do Sergio e Arnaldo dos Mutantes) nos anos 70/80. Creio que ele atingiu um nível de conhecimento sobre áudio que poucas pessoas no mundo chegaram, chegou na essência, na filosofia da coisa. Esse foi o grande mestre da minha geração. Hoje, ele não trabalha mais com áudio e se dedica a um projeto filosófico que está acima a minha capacidade de compreensão mas continuo respeitando o Cláudio imensamente. Felizmente, muitos dos seus intrigantes artigos estão upados na internet, tenho um link com as edições antigas da revista Nova Eletrônica, onde seus artigos foram publicados:http://tinyurl.com/ctqlhdy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desse meio, só conheço o CCDB e o falecido Edu Silva, do Audiolist.
      Já conhecia tambem o blog do Picco, que faz um trabalho inestimavel na WEB, um exemplo a ser seguido.

      Excluir
  6. Olá amigo, possuo um Staner Kute 25 de 36w, agora toco apenas em casa e nos ensaios ele sempre aguentou o tranco, o drive dele é horrível e inútil, mas o clean é surpreendentemente ótimo, gostaria de saber se eu vendesse ele e comprasse um Fender Frontman 25r eu obteria uma boa mudança no canal drive e clean, abraço e obrigado por toda o conhecimento repassado neste ótimo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu acho que melhoria um pouco, principalmente porque o frontman tem falante de 10" mas eu sugeriria vc pegar logo algum amp de boa qualidade com falante de 12". Se não quiser trocar por enquanto, uma boa dica é tentar usar um pedal de overdrive que seja clone do BB Preamp, esse pedal funciona bem em amps transistorizados, o original é muito cara mas existem clones de boa qualidade disponíveis. abç.

      Excluir
  7. Muito obrigado, vou procurar um, abração.

    ResponderExcluir